Bem-vindo | 17/05/2021

Portal Folha - O seu Jornal Online

Acusado de lançar rojão que matou cinegrafista é preso em Feira de Santana

Caio Silva de Souza, de 23 anos, auxiliar de serviços, foi encontrado cercado em uma pousada chamada Gonçalves, próximo à Estação Rodoviária. Caio se identificou na pousada como Vinícius Marcos de Castro e usou dinheiro para pagar a hospedagem.

Por Do Karmo Carvalho

qua, 12/02/2014 às 11:14

Caio foi preso em Feira de Santana. Foto Reprodução Globo News.

Caio foi preso em Feira de Santana. Foto Reprodução Globo News.

O suspeito de acender e soltar o rojão que matou um cinegrafista da TV Bandeirantes em um protesto no Rio de Janeiro na quinta-feira (6) foi preso por volta das 2h da madrugada da quarta-feira (12), em Feira de Santana.

Caio Silva de Souza, de 23 anos, auxiliar de serviços, foi encontrado na Pousada Gonçalves, próximo à Estação Rodoviária. Ele foi preso pelo delegado que investiga o caso, Maurício Luciano de Almeida e Silva, da Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Caio se identificou na pousada como Vinícius Marcos de Castro e usou dinheiro para pagar a hospedagem.

O suspeito estava indo para a casa do avô em Itu (CE) e durante o trajeto parou em Feira de Santana, de onde partiria hoje cedo, mas foi convencido por telefone pela namorada a se entregar à polícia, que conseguiu localizá-lo.

“Ele permaneceu no quarto e estava só. Os policiais chegaram acompanhados da namorada dele, que foi a primeira a subir, e do advogado. Ele recebeu uma ligação de madrugada de uma pessoa que se identificou como irmão dele, dizendo que estava chegando em Salvador e que mais tarde estaria vindo para Feira e que era para reservar três quartos para seis pessoas que estavam chegando”, relatou o recepcionista ao Acorda Cidade.

Cinegrafista da TV Bandeirantes O cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Ilídio Andrade gravava imagens de uma manifestação contra o aumento das passagens de ônibus no Centro do Rio, quando foi atingido na cabeça pelo rojão. Ele teve morte cerebral na segunda (10), depois de passar quatro dias em coma no Hospital Souza.

Comentários