Bem-vindo | 15/06/2021

Portal Folha - O seu Jornal Online

Educação ameaçada mais uma vez por greve anunciada

O governo escancaradamente descumpre a Constituição e não respeita os servidores na revisão anual de vencimentos, paga a folha quando dá na telha e comete apropriação indébita nos consignados e nas contribuições previdenciárias. Esse estado de coisas ameaça a deflagração de mais uma greve

Por Gidalti Moura

qua, 19/10/2016 às 09:20

Pode parecer estranho, mas confesso que ainda não consegui entender muito bem esse lance de greve no serviço público e no caso de hoje na educação.

O problema tem fundamentação constitucional, mas que é preciso ser discutido é quando e como exercer esse direito, considerando o tipo de serviço essencial envolvido.

Cá com meus botões, enquanto a greve na iniciativa privada prejudica precipuamente o empregador, o empresário, o banqueiro porque deixa de faturar, tem de se perguntar? A greve no serviço público prejudica a quem? Ao prefeito, ao gestor da pasta?

Na educação de Araci, quem paga a conta dessa queda de braço entre sindicato e prefeitura? A educação pública é ou não um serviço essencial? E não me decepciona saber que tem gente que discorda disso? Então, se é essencial, não pode parar, simplesmente.

O governo escancaradamente descumpre a Constituição e não respeita os servidores na revisão anual de vencimentos, paga a folha quando dá na telha e comete apropriação indébita nos consignados e nas contribuições previdenciárias.

Mesmo assim, penso ainda que a greve no serviço público essencial deveria ser a última das últimas opções de luta, já que os dois lados estão com suas vidas econômicas tranquilas, viajam e gastam em nome do movimento, fazem reuniões com custeio (da classe, uma classe sozinha porque mais forte que o sindicato é a sociedade, os pais, os estudantes, vítimas únicas deste teatro de trocas).

Educação ameaçada mais uma vez por greve anunciadaEm reunião ontem na Câmara, a APLB, a Comissão de Greve e a Comissão de Educação se encontraram para anunciar mais uma greve. Segundo o diretor da APLB, professor Elmer Carvalho, os motivos são os mesmos: Falta de pagamento do pessoal de apoio, consignados que não são repassados. Segundo o delegado Elmer, professores estão sendo prejudicados junto aos bancos que cobram os valores em suas contas sendo que eles já foram deduzidos na folha representando pagamento duplo.

Estamos em Estado de greve desde o dia 14, disse Elmer. A menos que tudo se resolva ou se chegue a um acordo na próxima reunião anunciada para sexta feira, completou o delegado da APLB.

Já há previsão de uma greve geral da categoria para o dia 11 em função do atraso do pagamento dos servidores que recebem pelos 4%.

Estudantes que estavam presentes na Câmara disseram que suspender aulas em nada ajuda nessa, porque o governo não está nem aí para os dias parados. Isso significa que as vantagens que os estudantes têm obtido em movimentos como esse são muito inferiores às desvantagens que geram nas suas vidas

Os recursos na ordem de R$ 345 mil foram encaminhado pelo presidente Rivaldo para a Comissão de Educação.

Os recursos na ordem de R$ 345 mil foram encaminhado pelo presidente Rivaldo para a Comissão de Educação.

Na ocasião o vereador Léo que é presidente da Comissão de Educação da Câmara, recebeu das mãos do Assessor da Câmara uma remessa de 35 Comunicados do MEC/FNDE para acompanhamento de recursos enviados para as escolas da rede municipal.

Comentários