Bem-vindo | 13/06/2021

Portal Folha - O seu Jornal Online

Água termal e carne de bode riquezas do Jorrinho

Investidor pioneiro no Jorrinho, o militar PM reformado Dassilvo Ribeiro Pereira chegou ao Jorrinho em 2009, e implantou a primeira área de lazer. Criar um espaço mais reservado para atender pessoas que procuram um lugar onde passar domingos e feriados com a família, com piscina para as crianças e alimentação tradicional que é a carne de bode era seu projeto.

Por Gidalti Moura

seg, 28/04/2014 às 08:41

Sete quilômetros, antes de chegar a Caldas do Jorro, está o conhecido Jorrinho que, como o Jorro, também possui águas termais com temperaturas de aproximadamente 38ºC, o que representa um atrativo para pessoas de Araci, Tucano e outros lugares.

Localizado em área mais privilegiada que a instância de Caldas do Jorro, o Jorrinho é cortado pela BR-116 às margens do Rio Itapicuru.

Em 1996, o extinto Ministério das Minas e Energia, através de seu Setor de Hidrogeologia com sede em Recife, perfurou ali um Poço com a profundidade de 260m, produzindo água com temperatura de 38°C, e vazão de surgência em torno de 30m³/h. produzindo agua de excelente potabilidade com um TSD de 267mg/l.

Água termal e carne de bode riquezas do JorrinhoNa praça principal do povoado, foram instaladas 10 bicas numa estrutura de cimento armado dando aos banhistas condições de ficaram quanto tempo puderem debaixo das bicas que jorram a 38°C produzindo um efeito relaxante e curativo.

O banho quente estimulam os visitantes a tomarem assento nas barracas e restaurantes espalhados na praça e saborearem o delicioso bode assado na brasa ou frito no óleo, o que se tornou tradição local e regional. Em frente aos bares e restaurantes, a tradicional carne de bode fica exposta ao sol, para atingir o ponto certo de sal e consistência. O apetite é provocado pela visão do bode curtindo ao sol, pela água da bica e tudo isso abre a irresistível vontade de tomar uma cerveja gelada.

O lazer cresce: Piscina, ambiente de música e carne de bode.

Dassilvo Ribeiro Pereira é um militar da reserva e chegou ao Jorrinho em 2009, sendo pioneiro na implantação de área de lazer mais reservado para atender a clientes mais exigentes, como famílias que procuram um lugar onde passar domingos e feriados com a família.

Adquiriu um terreno em uma rua paralela à BR, por trás das bicas da Praça e limpou a área que era um terreno baldio e cheio de lixo e iniciou a construção do primeiro complexo com piscinas no Jorrinho. Hoje, Dassilvo oferece aos usuários um espelho d’água em torno de 190m² envolvendo três piscinas: uma para adulto, uma intermediaria e duas para crianças.

Segundo Dassilvo, foi duro chegar onde chegou e garantir o lazer para os que saíam das bicas e procuravam algo diferente par5a as crianças e até para os adultos que era: banho de piscina, chuveiros, instalações sanitárias e um ambiente onde pudessem saborear uma carne de bode assada ou frita e ouvir música ambiente para todos os gostos.

No início, Dassilvo disse que contava com água morna que vinha diretamente da vazão do poço do Jorrinho, mas foi obrigado a cavar o seu próprio poço pela ameaça do poder público de cortar a água nas piscinas e hotéis das duas instâncias: o Jorrão e o Jorrinho.

Hoje, ele usa sua própria água que também apresenta-se morna, muito embora, menos quente que a do Jorrinho. Dassilvo lamenta que a atitude do poder público acabou prejudicando apenas seu empreendimento porque alguns ainda contam com a água do poço do público.

“Acho um caso sem propósito”, reclamou Dassilvo. “Porque a água que jorra nas 10 bicas, se perde durante toda a noite e poderia haver um estudo de horário para atender aos visitantes até certa hora do dia e à noite atender a gente que explora o ramo de banho”.

O poder público não nos ajuda em nada. Nós promovemos o turismo, trazemos o visitante, e nada temos a não ser cobranças. Como explicou, Dassilvo vem investindo em seu empreendimento que considera um patrimônio em torno de R$ 800 mil, mas não entrego isso aqui por R$ 1 milhão, garante Dassilvo.

Apesar do “olho grande” como chamou os concorrentes que chegam e se instalam a cada época, não tenho o que reclamar. Recebo muita gente, tem dias que recebo mais de 300 frequentadores das piscinas e do restaurante e em dias especiais pode chegar a 800 pessoas.

Dassilvo trabalha com sua esposa Magnólia e sua filha Tatiana e conta com a ajuda de pessoas da família quando tem necessidade de maior serviço.

No ambiente, não há lugar para bebedeiras, barulhos e não abre nem faz festas no seu espaço. O local é mais para famílias, amigos e pessoas que queiram realmente curtir um lazer. A única bebida é cerveja, refrigerantes e água e coco. Não serve o que ele chamou de “bebidas quentes”.

Três piscinas formam 190 metros quadrados de espelho dágua. Sempre limpas e higienizadas

Três piscinas formam 190 metros quadrados de espelho d’água. Sempre limpas e higienizadas visando conforto e segurança aos banhistas.

Os clientes banhistas ou não sabem que além do banho, ducha tem a carne de bode para saborear como almoço ou petisco.

Os clientes banhistas ou não sabem que, além do banho, tem a carne de bode para saborear como almoço ou petisco.

O prédio fica situado atrás da praça onde ficam as bicas com área boa para estacionar

O prédio fica situado atrás da praça onde ficam as bicas com área boa para estacionar

A família de Dassilvo a esposa esposa Magnólia e sua filha Tatiana administram o estabelecimento

A família de Dassilvo a esposa esposa Magnólia e sua filha Tatiana administram o estabelecimento

Comentários