Bem-vindo | 26/11/2020

Portal Folha - O seu Jornal Online

O povo que festeja as campanhas eleitorais, não faz seu papel de cidadão

José Do Carmo, que se apelidou de Dukarmo dos veículos Jornal Folha dos Municípios e Portalfolha.com, encaminhou para nossa redação o presente artigo, ensejando provocar um despertamento da massa que se envolve com os processos eleitorais a cada ano de eleição. – “Quanto mais barulho menos conteúdo. O povo devia fazer barulho por mais atitudes, mais projetos, mais leis, mais fiscalização, mas em vez disso, não aparecem na casa da cidadania para avaliar o desempenho de seus representantes”, diz Dukarmo.

 

Por Gidalti Moura

qui, 19/11/2020 às 09:00

Esse comportamento é bem mais expressivo nas campanhas municipais e a linha principal da campanha eleitoral é jogada de lado dando lugar a uma verdadeira festa carnavalesca movida a emoções, álcool, irresponsabilidade, ódio e nenhum senso de democracia e educação. É como se o candidato melhor fosse aquele que mais fizer barulho.

Numerosas frentes de pessoas se movem, se organizam, se esforçam para colocarem nas ruas a carreata do candidato “A”. Dinheiro, esforço coletivo e até patrimônios familiares entram pelo ralo para promover um burburinho desprovido de pilares éticos. São noites de regras e leis invalidadas – a cidade vira casa da mãe Joana e é o lugar onde “todos desejam estar, seja santo ou não”. Enquanto isso, olheiros do candidato “B” acompanha tudo, calculando e criando suas estratégias para também colocar na rua um número maior de pessoas, com mais decibéis de todo tipo de som.

Tudo isso anteriormente falado você já conhece. É um dos fios do tear, desse jeito louco brasileiro de fazer política.

No entanto, o que se percebe que boa parte de todo este barulho é promovida pelos eleitores, como se na campanha eleitoral fosse uma enorme gincana estudantil no qual o que importa mesmo é apenas ver quem vai ganhar ao final do jogo.

Toda essa euforia, energia e esforço popular desaparecem depois do pleito eleitoral. Quem ganhou a eleição comemora um pouco mais. Já os perdedores voltam para casa chutando latinhas e escorregando nos santinhos. Mas aqui para nós, nesse momento quem está sorrindo mesmo não são os candidatos eleitos que durante quatro anos terão suas boas compensações financeiras e pouco estão preocupados com aqueles que na campanha festejavam seu nome.  

Amigo leitor e eleitor pensa comigo: “Se com tanta festa elegemos “n” candidatos e durante quatro anos eles vão nos representar, vão cuidar do nosso patrimônio público, dos nossos tributos, cuidar das nossas leis e abrir discursões e trabalhos para desenvolver o bem comum e isso não vem a ocorrer, não deveríamos também nos manifestar com a mesma intensidade, energia e força da mesma forma como fizemos nas campanhas?

Se o prefeito não cumpre com o mínimo necessário para o bem da gestão pública e o bem dos seus munícipes, então só vamos nos manifestar na próxima eleição fazendo barulho e carretas para outro nome?  

Seja qual for sua situação partidária, acredito que quanto mais barulho, menos conteúdo se tem – veja as músicas de pagode da Bahia, por exemplo – e de nada adianta fazer aquela festa descomunal durante as campanhas se você, eu e todos nós não exercermos a nossa verdadeira cidadania. Quantas vezes você e seus amigos já promoveram uma cartazaço (pegando a ideia dos panelaços) no plenário da Câmara de Vereadores de sua cidade? – de forma pacifica claro! Exigindo mais projetos, Leis, discursões e até mesmo manifesta repúdio as atitudes de certos legisladores. E o que vemos são sessões vazias na casa da cidadania, sem a presença do público que deveria ser o mais interessado no processo legislativo e fiscalizador.

Assim, marcando presença, manifestando, indo para a rua e exigindo e colocando em evidencias as nossas necessidades como comunidade é que verdadeiramente estamos fazendo o nosso papel de cidadão. Isso não deve ser feito na campanha eleitoral.  A carreta, a festa, a cerveja paga pelo candidato, o barulho, é temporário e passa rápido, mas o seu dever de cidadão continua lá empoeirado esperando que dentro dos quatros anos seguintes você desperte a sua pequena atitude que somada a outras e a mais outras começaram a mudar o cenário das nossas cidades e consequentemente a do país. Lembre-se que o voto tirar e coloca candidatos no poder, mas somente a voz popular pode mudar os rumos de uma sociedade. Use esse hashtag : #cidadãosdeatitude.

Clique Aqui para acessar o WhatsApp do  seu Portalfolha.com e receber conteúdos e matérias!

Siga-nos em nossas redes sociais –Página no Facebook – Perfil no Instagram – Perfil no Twitter

Comentários