Bem-vindo | 25/04/2019

Portal Folha - O seu Jornal Online

Os policiais civis da Bahia paralisam as atividades por um período de 72 horas

Dos dezessete policiais mortos de janeiro a julho deste ano, três eram civis, segundo informações do Sindpoc. O cidadão que precisar ter acesso aos serviços prestados por investigadores e escrivães da Polícia Civil deverá procurar os delegados titulares das delegacias territoriais e especializadas, que estarão abertas, atendendo o público.

Por Do Karmo Carvalho

seg, 18/08/2014 às 18:52

De acordo com o diretor do Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia (SindPoc), Joseval Costa, os três dias de paralisação foram motivados pelo aumento de homicídios contra policiais civis, melhorias das condições de trabalho, por um novo modelo de gestão da Polícia Civil, fim das custódias em delegacias, diferença salarial entre as carreiras, assédio moral e regulamentação do decreto que regulamenta as promoções de classe, que deveria ter acontecido em abril. A categoria também reivindica sobrecarga de trabalho em função da falta de efetivo. Os policiais estão de braços cruzados desde as 8h dessa segunda-feira, 18 de agosto de 2014.

“Essa paralisação já havia sido sinalizada na última paralisação, há um mês, caso as demandas não fossem atendidas pelo governo. Independente de momento político, nosso trabalho é representar a categoria”, disse Joseval Costa ao Acorda Cidade.

Paralisação policia BahaDos dezessete policiais mortos de janeiro a julho deste ano, três eram civis, segundo informações do Sindpoc. O cidadão que precisar ter acesso aos serviços prestados por investigadores e escrivães da Polícia Civil deverá procurar os delegados titulares das delegacias territoriais e especializadas, que estarão abertas, atendendo o público.Outra opção à população é a Delegacia Digital, que poderá ser acessada facilmente, por meio do endereço eletrônico http://www.delegaciadigital.ssp.ba.gov.br, para registro de ocorrências, como furto ou roubo de veículos, arrombamentos de casas comerciais e residenciais, dentre outras.

As informações são do Acorda Cidade. 

Comentários