Bem-vindo | 03/06/2020

Portal Folha - O seu Jornal Online

Jovem suspeito de forjar sequestro e pedir R$ 300 mil como resgate, é solto

O jovem suspeito de forjar o próprio sequestro para conseguir dinheiro da mãe, uma das ganhadoras da Mega-Sena da Virada, vai responder o crime em liberdade.

Por Gidalti Moura

qua, 12/02/2014 às 09:33

imagemO jovem suspeito de forjar o próprio sequestro para conseguir dinheiro da mãe, uma das ganhadoras da Mega-Sena da Virada, vai responder o crime em liberdade. Cristiano Araújo dos Santos, de 22 anos, e seu comparsa, Wellington Santos Oliveira, de 20 anos, foram presos em Várzea Paulista (SP) e estavam detidos no Centro de Triagem de Jundiaí (SP), mas já foram soltos. Segundo o delegado seccional de Jundiaí (SP), Luiz Carlos Branco, a Justiça negou o pedido de prisão preventiva dos dois.

De acordo com o delegado da 15ª Coorpin/Serrinha, Henrique Morais, outras duas pessoas também foram indiciadas por participar do crime. “A esposa do Wellington e a sogra de Cristiano também tinham conhecimento do sequestro. Todos vão responder em liberdade por tentativa de extorsão e formação de quadrilha”, explica.

A mãe de Cristiano, que é faxineira do Hospital Municipal Waldemar Ferreira de Teofilândia, participou de um bolão da Mega-Sena da Virada com outros 21 funcionários e ganhou cerca de R$ 2 milhões. O filho, que mora em Várzea Paulista, forjou o sequestro e pediu um resgate no valor de R$ 300 mil. Segundo a polícia investigou, a mãe só daria dinheiro para Cristiano se ele voltasse a morar com ela. Como ele não tinha pretensão de sair de Várzea Paulista por estar envolvido com uma namorada, forjou o crime para conseguir dinheiro.

A namorada de Cristiano, que é menor de idade, também é suspeita de ter participação no crime, informou o delegado. De acordo com a polícia, ela foi a responsável por avisar a vítima sobre o suposto sequestro do filho. “Ainda não se sabe, ao certo, qual foi a participação de cada um, mas o que se sabe é que todos tiveram envolvimento, direta ou indiretamente, e agora irão responder por isso na Justiça”, frisou o delegado que acrescentou que o caso já foi encaminhado ao Poder Judiciário. (Cleriston Silva)

Comentários