Bem-vindo | 19/08/2018

Portal Folha - O seu Jornal Online

Alívio. Chega ao fim a greve da Polícia Militar da Bahia

Logo após a assembleia, os policiais comemoram bastante e gritaram em coro “A PM voltou”.
Foram registrados 39 homicídios em Salvador e região metropolitana pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia durante pouco mais de 42 horas desde o início da greve, que começou por volta das 19h30 da terça.

Por Do Karmo Carvalho

qui, 17/04/2014 às 15:00

Policiais comemoram o fim da greve. Foto Divulgação.

Policiais comemoram o fim da greve. Foto Divulgação.

A greve da Polícia Militar da Bahia foi encerrada na tarde da quinta-feira (17) após assembleia realizada entre líderes do movimento e PMs, no Wet’n Wild, antigo espaço de shows em Salvador, onde parte da corporação permaneceu acampada desde a noite de terça-feira (15), quando o movimento foi iniciado.

Logo após a assembleia, os policiais comemoram bastante e gritaram em coro “A PM voltou”.

Foram registrados 39 homicídios em Salvador e região metropolitana pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia durante pouco mais de 42 horas desde o início da greve, que começou por volta das 19h30 da terça.

Participaram do encontro representantes do governo e das seis associações de classe que estavam unidas na mobilização, além do comandante-federal da PM, coronel Alfredo Castro. O Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, também foi convidado a participar da reunião para abençoar um possível acordo.

De acordo com informações da assessoria de comunicação da SSP, esse número foi contabilizado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa até as 13h40 desta quinta-feira. A secretaria ressalta que ainda é preciso um período de investigação para confirmar ou não a relação entre as mortes e a redução do policiamento nas ruas devido à greve da PM.

Segundo o coronel Castro, comandante da corporação, o reajuste nas Condições Especiais de Trabalho (CET), um dos principais pontos de divergência entre governo e grevistas, foi revisto . “O que mudou foram as condições das propostas no que diz respeito aos índices. Nós tivemos uma proposta feita anteriormente sem o índice de CET e nós colocamos agora o índice de CET. Também estamos colocando a retirada de sanção disciplinar, as faltas leves administrativas durante esse período de greve”, disse o oficial. O governo explica que a CET é uma gratificação que atualmente vigora para oficiais e que os grevistas pedem que se estenda a todos do efetivo policial. (Fontes: A Tarde e G1.com)

Comentários