Bem-vindo | 19/01/2020

Portal Folha - O seu Jornal Online

Vereadores Jerônimo e Roberto: Entrevista com George Silva “gera” verdades “sem freio”

A entrevista “sem freio” “gerou” certamente certo desassossego para muita gente, e quem sabe, muita gente que votou neles esperando dos dois alguma coisa como exatamente as que foram colocadas em pratos limpos durante o bate-papo com George Silva.

Por Gidalti Moura

dom, 05/03/2017 às 20:00

Entrevista com George Silva “gera” verdades “sem freioDa entrevista concedida pelos vereadores Jerônimo Jesus de Lima e Roberto Matos ao apresentador do programa Debate em Destaque George Silva, neste último sábado, pode ser dizer que foi de uma harmonia singular com seus próprios nomes como o vereador “Jera´e o vereador do “Sem Freio”“. Ao escutar os dois edis e com maiores detalhes para o que disse Jera, não pude deixar de fazer uma analogia de tudo com a verdade. Depois, com a disposição com que foram ratificadas pelo Roberto, as verdades ditas pareciam estar sem freio. Jera dava ali um recado que não adianta tentar frear sua voz, a arma que ganhou pela soberania das urnas e vai fazer uso dela doa a quem doer.

Entrevista com George Silva “gera” verdades “sem freioA entrevista sem freio gerou certamente certo desassossego para muita gente, e quem sabe muita gente que votou neles esperando dos dois alguma coisa como exatamente as que foram colocadas em pratos limpos como:

a)      Encontrarno vereador cobertura necessária para sua falta de responsabilidade funcional no setor público.Jera falou com todas as letras que tem muito servidor público na gestão da hora e nas gestões passadas que recebem sem trabalhar. Alguns estão fora do município, outros aqui mesmo e acha que a sociedade não sabe. Vou denunciar essas praticas do passado e de agora impeliu Jera.

b)      O vereador repeliu aos eleitores corruptos que guardam seu voto de dois em dois anos para usá-lo como moeda de troca. Nas eleições começa a quadra do troca-troca. O voto pelo pagamento de conta de luz, de água, atrasadas e da mendicância de remédio, bujão de gás e material de construção.

c)       Jera e Roberto foram afins quando criticaram a falta de responsabilidade de pessoas que tr5abalham no atendimento de setores públicos. Não se pode perdoar uma farmácia básica, em alguém para atender as pessoas. O doente chagar a um posto de atendimento e não ser atendido logo e quando é atendido está desesperado com a demora e o mau tratamento, reclamaram os vereadores citando casos de sua região rural.

d)      Jera tirou o pé do freio para dizer que professores estão sendo tratados com predileção. Na verdade, disse o vereador: “Passam a mão na cabeça de uns e massacram os outros”. Tem professor trabalhando muito e ganhando pouco e outros ganhando pouco e ganhando muito e disse isso citando os professores que recebem regência de classe sem estar na sala de aula por estar na APLB.

e)      Existe gente negligente nas secretarias e nos setores que não cumpre horário, chagam tarde e querem sair cedo, disse Jera. Os secretários devem adotar o famoso Livro de Ponto. Não trabalhou certo, tem de pagar por isso. Esse prejuízo vai além do pecuniário, depõe contra o poder público. Esse defeito não é só dos funcionários. Os seus chefes são mais culpados ainda, Vou estar de olho e acompanhar essa situação pessoalmente, asseverou o vereador Jera.

Ao final dessa ladeira Jera e Roberto ainda tiraram o pé do freio para deixar claro que a corrente politica partidária uniu ele ao grupo do prefeito Silva Neto e seu colega Roberto ao grupo da ex-prefeita Nenca. Hoje somos vereadores de um mesmo povo e nem somos oposição nem situação. O vereador será oposição ou situação a Silva neto ou a Nenca. Oposição ou apoio se faz a um governo. Dependendo dele e de seu modo de tratar o povo a cidade e o município, seremos o que é preciso ser. O que nunca devemos ser e puxa saco de prefeito ou ser inimigo dele só porque é de grupo politico diferente. – Foram as máximas finais destes dois vereadores que desencadearam uma série de entrevista que na visão deste articulista, deve sempre acontecer.

 

Comentários