Bem-vindo | 15/12/2019

Portal Folha - O seu Jornal Online

Prefeitura de Araci realiza 6ª Conferência Municipal de Saúde

Convocada pelo Conselho Municipal de Saúde a conferência acontece hoje no Auditório do Centro Paroquial na Rua Padre Júlio Fiorentini reunindo usuários, trabalhadores e gestores da Saúde Pública e autoridades com o tema: Democracia e Saúde trabalhado com base em seus três temas-eixos propostos pelo Conselho Nacional de Saúde: “Saúde como Direito”, Consolidação dos Princípios do SUS” e “Financiamento Integral”.

Por Gidalti Moura

qui, 04/04/2019 às 16:36

O encontro que teve a abertura em tordo das nove horas desenvolveu uma programação cedo com a parte de credenciamentos hall do auditório e depois de um café servido pela secretaria de saúde, a cerimonialista Ádila Santana procedeu a formação da mesa dos trabalhos do conclave chamando pela ordem o prefeito Municipal Antônio Carvalho da Silva Neto, a secretária de saúde Ana Ofélia Marques, o presidente do Conselho Municipal de Saúde Vicélio Oliveira, o vereador Jerônimo Jesus de Lima, presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal e Enfermeira Mariana de Oliveira Araújo a palestrante da Conferencia. Adila chamou também para tomar lugar à mesa as vereadoras Jamile e Edneide, o diretor do Hospital Municipal Batista Santiago, o secretário municipal de administração Nilson Silva e a chefe de gabinete do prefeito Glória Firmo.

Usuários convidados, trabalhadores e gestores da Saúde Pública que ali estavam tiveram a oportunidade de participar com seus pontos de vista, inclusive com a elaboração de sugestões. “A 6ª Conferência Municipal de Saúde é muito importante, é uma oportunidade para se discutir propostas que o município defenderá na Conferência Nacional de Saúde. Hoje abordaremos inúmeras propostas e sugestões para estas duas próximas etapas da Conferência e na parte da tarde faremos a eleição dos delegados do munícipio de Araci”, – ressaltou a secretária municipal de Saúde, Ana Ofélia.

O tema “Democracia e Saúde”, a 6ª Conferência Municipal, foi o eixo evidente do encontro e apresentado pela palestrante convidada a enfermeira Mariana de Oliveira Araújo que no fluir e suas considerações debateu melhorias para a Saúde Pública com base em três temas-eixos propostos pelo Conselho Nacional de Saúde: “Saúde como Direito”, Consolidação dos Princípios do SUS” e “Financiamento Integral”.

O presidente do Conselho Municipal de Saúde Vicélio Oliveira, foi o primeiro a falar aos conferencistas e disse estar muito feliz pela oportunidade de discutir planos e projetos para a saúde municipal e de pronto declarou oficialmente aberta a 6ª Conferencia.

“Hoje queremos sair dessa conferencia com um novo entendimento de que saúde não é simplesmente ausência de doença, queremos sair daqui sabendo que a saúde é um direto universal de todos e por isso exige um momento como esse de debate e planejamento”. – Disse Vicèlio.

O vereador Jera que é o presidente da Comissão de Saúde da Câmara de vereadores pediu reflexão sobre o momento. A realização de uma conferencia para tratar de um tema tão importante exige realmente muita reflexão. Jerônimo fez uma alusão ao momento em que foi cantado os hinos de Araci e o Nacional. Comentou que poucos sabiam cantá-lo e completou: “Existe uma lei que obriga o ensino dos hinos pátrios para os estudantes, mas essa lei nunca é observada. Assim acontece com os serviços de saúde. Um direito de todos por força de lei, mas nem todos sabem disso ou se preocupam com isso” – disse o vereador.

O vereador Jerônimo comentou que a população normalmente cobra como um fato mais corriqueiro e que pouca contribuição por parte da sociedade é dada ao governo. Muitas melhorias nos serviços de saúde poderiam acontecer se a população fizesse a sua parte. – comentou Jera, que finalizou dizendo que a comunidade tem que entender que tem voz para cobrar, mas também deve apresentar ações para ajudar o poder público.

A secretária Ofélia em seu primeiro momento falou sobre a Assistência Social em nível de SUS que nasceu com a Constituição de 1988 e lembrou o momento complicado que a saúde vive no país. E por ser isso preocupante, é necessário que se debata isso de forma interna com os prestadores dos serviços de saúde, com os gestores e com os usuários, por isso acontece hoje essa conferência, – disse Ofélia

É necessário também que os usuários, a comunidade acompanhe as decisões que estão sendo tomadas em relação à saúde pelos governos estaduais e federal. Há rumores de que os índices obrigatórios que os gestores tinham de investir em saúde serão livres. Os gestores aplicarão os recursos que acharem ideal para custear as ações de saúde. Isso é preocupante disse a secretária. Logo é necessário e urgente discutir esses casos, porque ver a saúde da forma que está e ficar falando essa política destrutiva deprimente, não resolve temos que entender a situação que vive o nosso município e todos os outros iguais a nós. Somos um município que depende de muitas horas para resolver um caso de emergência, seja um infarto, um trauma ou um part. São mais de 100 quilômetros distantes de cidades de referência. E a luta é muito grande com esses pacientes que quando não morre pela dificuldade de atendimento, adquirem sequelas para o resto da vida.

Ofélia terminou pedindo a todos para se envolverem e apoiarem os profissionais de saúde e como cidadão para pedir ao Governador para pedir ao governo federal mais atenção para nossa região que é uma região grande com mais de 600 mil habitantes e sem o hospital forte de apoio uma unidade clínica de apoio para a região.

O prefeito Silva Neto encerrou o primeiro bloco das falas de abertura e comentou que esta seria a sétima conferência que participa como gestor do município desde sua primeira gestão. “São os mesmos desafios, a realidade,  as mesmas demandas e os mesmos problemas que crescem e cresce e a cada dia” – disse o prefeito. E continuou: “Existe porem a cada dia que passa, mais e mais esforço do gestor e de todos aqueles que estão envolvidos nesta luta de promoção de serviços de saúde”.

O prefeito aproveitou já no início da sua fala para agradecer aos ex-secretários de saúde que estavam presentes ali, e citou Glória Firmo, Maria Betivânia, Keinha, Batista Santiago e Vaneide. Todos enfrentaram desafios e fizeram o que estavam ao alcance de cada um deles. Hoje está ai a secretária Ofélia que já trabalharam há muitos anos na área da saúde e como os outros passa pelo que chamou de “estágio de sofrimento”. E arrematou: “Tem tanta gente que nunca fez nada pela saúde, mas deixaram de criticar todos estes que se dedicaram e fizeram a sua parte”.

Silva Neto comentou sobre uma mobilização anunciada para criticar a saúde. Disse que é preciso respeitar os processos de democrático e que entende que todas as vezes que há mobilização para cobrar ações do governo ele tem absorvido como positivo porque induz à análise e leva a corrigir aquilo que é necessário corrigir. E arrematou novamente: “Agora aquela sensação de tentativa que muitos têm para diminuir e denegrir a imagem de quem trabalha é preciso ser repensada.”

Ao encerrar, o prefeito falou que é importante encontrar um significado verdadeiro para o serviço de saúde e inquiriu: “Que conceito de atendimento de saúde tem uma pessoa que sai de casa passando mal, acometido de qualquer dor, vai para o hospital e é atendido pela enfermeira auxiliar de enfermagem ou médico e volta para casa feliz aliviado? E qual é conceito de saúde para as pessoas da zona rural que sabe da existência de um PSF a sua disposição com profissional com medicamento e não tem a ideia de quanto custa isso”.

Temos PSFs que são financiados em R$ 10 mil, mas a prefeitura para mantê-lo funcionando gasta R$ 20 mil. O que é fazer saúde num hospital o que é financiado com recursos na ordem de R$ 200 mil e a prefeitura chega a gastar R$500 mil para mantê-lo funcionando? – Assim o prefeito encerrou suas considerações e desejou uma conferencia proveitosa para todos.

A secretária Ofélia ordenou desfazer a mesa e apresentou a palestrante Mariana que tratou do tema central: Democracia e Saúde, assunto que Mariana apresentou em projeções luminosas expandindo o tema e fazendo suas considerações sobre melhorias para a Saúde Pública com base nos três temas-eixos: Saúde como Direito, Consolidação dos Princípios do SUS e Financiamento Integral.

A palestrante se apresentou como uma defensora do Sistema Único de Saúde, disse de sua satisfação em estar ali compartilhando de um momento único e poder debater juntos, caminhos para quê a saúde tenha um papel diferente. Falou sobre o SUS desde os primórdios do seu surgimento com o Instituto Nacional de previdência social que era uma forma de atender as pessoas que naquela época eram cadastrados pelo INAMPS. Desde lá a Previdência Social vem avançando ampliando seus atendimentos melhorando e tecnologia investimentos suas áreas e hoje na era digital se apresenta como uma das maiores estruturas do país e talvez do mundo atendendo milhares milhões de usuários do SUS.

Comentários