Bem-vindo | 22/11/2018

Portal Folha - O seu Jornal Online

Adventistas impactaram a cidade com a 5ª versão do Projeto “QUEBRANDO O SILÊNCIO”

Reconhecido em todo Continente Sul Americano, o “Quebrando o Silêncio” é um projeto educativo e de prevenção contra o abuso e a violência doméstica promovido anualmente há dezesseis anos pela Igreja Adventista do 7º Dia em oito países da América do Sul, Nessa 5ª jornada em Araci, essa força que se chama “adventistas” impactaram a cidade com o Projeto e o tema central é “Suicídio”.

Por Gidalti Moura

dom, 02/09/2018 às 11:14

 

Desde sua primeira versão em 2014, a força jovem representada por dois distritos e suas 28 igrejas espalhadas no município de Araci, leva às ruas da cidade o Projeto “Quebrando o Silêncio”.  Naquela primeira arrancada, grupos de aventureiros, de desbravadores, de clubes de jovens, de anciões, diáconos, líderes e membros evidenciaram o grito contra o “Silêncio” de uma sociedade sufocada pelo medo de denunciar o estupro de mulheres e crianças, crimes cometidos até dentro de casa. O projeto enfocou também a “Pornografia” e as chamadas “Vítimas da Ilusão” que são as crianças e adolescentes na era da internet.

Como é conhecido em todo Continente Sul Americano, o “Quebrando o Silêncio” é um projeto educativo e de prevenção contra o abuso e a violência doméstica promovido anualmente há dezesseis anos pela Igreja Adventista do 7º Dia em oito países da América do Sul, (Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai) e nessa 5ª jornada em Araci, essa força que se chama “adventistas” impactaram a cidade com o Projeto e o tema central é “Suicídio”.

O teologando Sávio Nunes do IAENE, depois de palestrar na igreja, engajou na passeata junto com a força jovem.

O tema foi sumariamente tratado pelo acadêmico Sávio Nunes de Oliveira, teologando e pós-graduando em psicanálise, que apresentou o suicídio como a concretização da falta de sentido da vida. Sávio usou versos d Salmo 38 de Davi e numa exegese bem aplicada mostrou que mesmo se tratando de um ser humano como esse poeta e rei, ele disse ter chagado ao ápice de um processo de ‘morrência’. Qualquer um pode cometer o suicídio se em vez de “gritar”, falar, pedir ajuda preferir ir se definhando existencialmente, deixando de acreditar em sua própria capacidade de exercer o direito de viver, explicou o pregador.

Sávio Nunes mostrou dados alarmantes da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostrando que mais de 800 mil pessoas tiram a própria vida por ano no mundo. No Brasil, acontecem, em média, 11 mil suicídios a cada ano de acordo com levantamento do Sistema de Informação sobre Mortalidade.

Depois da mensagem, todos os membros que estavam na igreja central saíram para se encontrarem com os que saíram da igreja da Bombinha, Coqueiro, Riacho e outros bairros para se unirem na grande caminhada para uma volta à praça principal da cidade.

O encontro de toda a força arregimentada para a caminhada foi ao lado do pórtico de entrada da cidade, em frente à churrascaria Gonzagão. De lá saíram puxados pelo “Piter Som” o carro de som do grande voluntário Pedrinho de Edite. Todo trajeto foi acompanhado por uma viatura da briosa Guarda Municipal, guarnição sempre presente em todas as campanhas com apoio da Prefeitura Municipal.

No percurso, os aventureiros, desbravadores, jovens, anciões, diáconos, líderes e membros abordavam as pessoas e deixavam em suas mãos, material da campanha representado em revistas e folhetos que transmitiam mensagens sobre a vida como um precioso dom de Deus, para ser vivida por Sua graça e pela fé. Nenhum problema é demasiado grande que não possa ser trazido a Deus em oração.

O material levava lições de ajuda; “quando encontramos uma pessoa com pensamentos suicidas, temos o dever de ajudá-la. Com a ajuda de Deus, podemos encarar a culpa de uma maneira construtiva, tendo em mente que muitas vezes aqueles que cometeram suicídio necessitavam de ajuda profissional que nós mesmos fomos incapazes de proporcionar”.


O ajuntamento fez sua última parada na praça em frente à prefeitura chegando ao horário de meio dia, quando o pastor Melquisedeque agradeceu a todos e os abençoou de volta pra suas casas em nome de Deus através de uma prece.

 

 

Comentários