Bem-vindo | 17/07/2019

Portal Folha - O seu Jornal Online

Vereadora Edneide do PT no Bom Dia Cidade – Audiência “top main”

“A juventude não é bem o futuro da política, acho que ela é o presente e não pode estar fora desse processo do agora preparando o futuro sonhado por ela” – Disse a vereadora falando dos jovens.

Por Gidalti Moura

qui, 13/06/2019 às 14:46

Edneide chegou à Cultura FM às 07:30h e foi recebido pelo apresentador Acilon que agradeceu e elogiou a vereadora pela participação em todos os blocos desde o ano passado.

Edneide fez suas saudações:

Acilon:

Que avaliação a vereadora faz de seu primeiro mandato?

Edneide:

Quando entrei na política eu estudei me preparei para encarar as atividades de um parlamentar. Entendi em toda essa minha busca que o vereador existe para cobrar, fiscalizar e acompanhar as ações do governo e como maior parcela de sua atividade mesmo legislar. Mas a comunidade entende que o vereador tem que fazer as coisas pelo povo. Vereador não tem verba para fazer nada ele não contrata, ele não constrói, ele pagar, não emprega, não demite, isso é responsabilidade do executivo.

Acilon:

Mas a senhora e seus colegas acabam fazendo ações que são do executivo, não é? Isso tá certo?

Edneide:

A cada momento de nossa vida a gente vai aprendendo. Em Araci, como nos municípios do mesmo porte, o desenvolvimento chega devagar e há uma necessidade muito grande na área social por isso sempre me dediquei à área social. Eu fico angustiada às vezes porque quero resolver os problemas que causa sofrimento a comunidade, mas nem tudo a gente consegue resolver. Ando muito pela zona rural visita muitas comunidades e as maiores demandas vem pela área da iluminação nas pracinhas, energia nas residências, água boa, segurança a comunidade cobra muito água.

Acilon:

Vereadora, a comunidade cobra muito corre atrás de suas necessidades e a senhora como vereadora acaba fazendo, como? Não está havendo uma inversão aí?

Edneide:

Eu reconheço que a comunidade tem suas necessidades e quando a gente chega na comunidade como a vereadora a gente chega e assumir compromisso e para que isso aconteça a gente corre atrás das condições de fazer benefício e obra mas corre atrás do executivo.

Acilon:

Como é que a vereadora vê a reação dos jovens na política, acha que eles não estão nem aí, ou são o futuro da política?

Edneide:

“A juventude não é bem o futuro da política, acho que ela é o presente e não pode estar fora desse processo do agora preparando o futuro sonhado por ela” – Disse a vereadora falando dos jovens. o meu pensamento é trazer o jovem hoje para participar do processo político criar condições para que possa produzir, mas para isso é preciso se preparar, estudar se envolver no processo. Essa experiência eu estou tendo no meu mandato. Capacitar os jovens para encarar o mercado de trabalho.

Na Busca de trabalho e só vai vencer a concorrência se tiver melhor preparado por isso nós estamos desenvolvendo um projeto com o apoio da UFRB na área de Formação em Culinária e alguns jovens acabam sendo um profissional em culinária, um mercado está necessitado de gente preparada. Já temos jovem trabalhando depois de se capacitarem na manipulação de alimentos e até para ser um chefe de cozinha respeitado futuramente.

Acilon:

Vossa Excelência era conhecida como Edneide do Sindicato, agora como Edneide vereadora, como fica analisa essa mudança de marca?

Edneide:

Foi muito tempo no sindicalismo. Durante anos e anos como sindicalista e mesmo como líder sindical e de muitos movimentos, de mulheres, de agricultoras familiares, deixei minha marca. Construída através do meu tempo de luta e foi esse tempo de luta e essa marca que me fez vereadora e como tal estou construindo e trabalhando com muita responsabilidade para deixar uma nova merca “Edneide Vereadora”.

Acilon:

E como é vista essa mudança de marca entre os companheiros de sindicato e produtoras e produtores rurais?

Edneide:

Eu acho que o povo não faz muita diferença entre uma e outra. O que o povo mais exige da gente é a mudança de postura às vezes até exige que a gente deixe de ser a pessoa simples que sempre fui, que senta no chão, toma cafezinho na caneca, que chegava com chapéu na cabeça, o estilo roceiro. Muitos acham que eu tenho que ter aparência externa, aprender a ser “chic”, sei lá; mas na verdade eu não vejo por aí eu continuo eu mesma, a Edneide do sindicato ou vereadora, o importante é desempenhar o meu papel onde estou e como sou. A vereadora estava com uma pasta na mesa que o apresentador começou a perguntar que pasta é essa, e o que tem nela?

Edneide:

É na verdade um portfólio da minha vida. Assim como eu fiz o meu portfólio de atuação no sindicato eu tenho hoje essa pasta onde registro minha trajetória e atuação parlamentar; minhas intenções, meus instrumentos de solicitações junto ao governo para ajudar as comunidades, os projetos as indicações as reuniões que eu frequento tudo está aqui nessa pasta é realmente um portfólio de minha vida.

Acilon:

E muita agenda e muitas ações. Não acha que essa agenda tá mais gestor, que legislador e fiscal?

Edneide:

Na verdade, sim. Os gestores das secretarias estão são colocadas nelas para fazer essas ações em prol da comunidade, fazer o seu papel como gestor de uma pasta assim como gestor do município. Acontece às vezes que embora tenha alguns bons secretários, eles não têm autonomia, não tem recurso. Atuam em secretarias desestruturadas e não tem como resolver todos os problemas que chegam a eles. Essa falta de condição das secretarias acaba caindo nas costas do vereador que está todo dia com a comunidade a comunidade cobrando e ele corre se movimenta, quer fazer e não pode e vai atrás do prefeito,  pede e faz indicação, briga e vai atrás de Deputados, corre em busca de verbas externas. Isso acaba dando certo dando a sensação de estar fazendo o papel social que é um papel do governo, quando seu papel é legislar, é fiscalizar e acompanhar o Executivo.

Existem muitas ações pequenas e insignificantes que não são tão caras, mas que poderiam ser resolvidas no dia a dia como o caso, por exemplo, da agricultura familiar, continuou Edneide. Tem comunidade produzindo e não tem como escovar o produto. Tem gente plantando hortaliças, verduras, frutas, melancia, abobora batata, manga, mamão, laranja, e outras e tem problemas de sustentabilidade, não tem como irrigar a plantação e perde tudo. Os que não perdem e produz muito, não tem como escoar a produção por falta de apoio.

Edneide falou que o governo observa a lei dos 30% de compra da merenda da agricultura familiar, mas o dinheiro não ajuda o município, porque a maior parte é comprada fora, por falta de apoio à produção.

Acilon:

Vereadora, como mudar esse quadro? Falta gente capaz de mudar isso?

Edneide:

Eu acho que tem Araci tem muita gente preparada. Tem muita gente aí que sabe das coisas tem muita gente com boas ideias. Tem muita gente que gosta e sua terra.  Eu acho que tem muita gente que está aí no lugar gerencial por amizade, por indicação política, por promessa de emprego, mas não trabalham. Estão no comando de algum setor mas não por que reúne capacidade para gerenciar os problemas do povo.

A vereadora abriu portfólio dela e falou de mais projetos trabalhados junto às comunidades e de tanta matéria pediu mais uma janela no programa de Acilon. Despediu-se citando o projeto piloto de sua comunidade de Bela Vista. Hoje a comunidade não fica esperando que o poder público para fazer pequenas ações como, luz na praça, uma limpeza da área, pintura na praça, enfeitar a praça para as festas, tudo é feito de forma solidária como designa o projeto.

Edneide finalizou agradecendo a participação no programa e disse finalizando que assim como deixou um legado na agricultura familiar no sindicato como Edneide do sindicato está trabalhando com muita responsabilidade para deixar também sua marca em sua passagem pelo legislativo e não sabe quanto tempo vai durar Mas a vida continua de casa em casa lidando com pessoas ajudando as comunidades como sempre fez em sua vida comum finalizou a vereadora entrevistada. Como soe acontecer em cada entrevista, a foto “Portalfolha” para a posteridade, apresentador e entrevistada.

Comentários