Bem-vindo | 23/10/2018

Portal Folha - O seu Jornal Online

Da Tribuna da Câmara, gerente Otto do Banco do Brasil “ESCLARECE”

Otto fez seus esclarecimentos durante um tempo de 24 minutos e depois foi sabatinado por alguns vereadores que buscaram respostas mais esperadas pela população que e: “como anda o trabalho de restauração da agencia como prédio e como instituição bancária e que data os serviços serão normalizados”.

Por Gidalti Moura

ter, 15/05/2018 às 18:27

A presença da população que tanto reclama da demora do retorno dos serviços bancários foi lastimável. Sozinho na plateia Otto foi animado com a informação de que naquela manhã estaria se comunicando com mais de 15 mil pessoas através da transmissão da sessão pela Cultura FM.

Atendendo um convite oficial do presidente da Câmara de Vereadores, o gerente Otto Carlos Santana do Banco do Brasil em Araci participou da sessão ordinária desta terça-feira (15.05) e da tribuna livre da Câmara teve a oportunidade de falar aos vereadores que formavam o plenário da sessão e também com a comunidade através da transmissão da sessão em tempo real pela Rádio Cultura FM Araci. Estima-se que em torno de 15 mil pessoas ouviram as explicações do gerente local pelo rádio já que em nível de assistência na câmara o resultado foi quase zero.

Otto fez seus esclarecimentos durante um tempo de 24 minutos e depois foi sabatinado por alguns vereadores que buscaram respostas mais esperadas pela população que e: “como anda o trabalho de restauração da agencia como prédio e como instituição bancária e que data os serviços serão normalizados”.

Otto agradeceu a oportunidade e disse que estar ali era bom porque todos os ouvintes pelo rádio aguardavam os esclarecimentos que ele levou para a sessão.

O gerente começou falando da situação do processo de reabertura da agência. Lembrou o sinistro de 07 de dezembro de 2017 e classificou como algo não comum em todas as agencias já sinistradas em todo estado.

Desse incidente para cá, nós estamos a todo o momento numa luta imensa para que a agência seja reaberta. – Afirmou Oto. Falou sobre a politica geral do banco em diminuir a todo custo as despesas e isso não só do Banco do Brasil, é de todas as empresas do país – disse.

A forma de sinistrarem agencia com explosivos destrói o patrimônio por completo e muitas vezes levam a um numerário todo o dinheiro na ação em que eles praticam, e levam o banco a repensar se vale à pena reabrir a agencia.

O alto custo de se erguer o prédio e colocar essa agência para funcionar e se essa agência de fato dá de retorno financeiro se apresenta lucro, é a grande questão falou o gerente. E outra grande questão é a segurança não têm o retorno por parte das instituições públicas como a polícia, como o Governo do Estado e participação inclusive da Prefeitura Municipal. Mas explicou Otto: “No caso de Araci, graças a Deus isso não se deu”. Nós estamos no plano teórico com tudo pronto para reabrir. Ainda não temos a aprovação da superintendência para reabrir.

Nossa agência, graças a Deus, dá retorno financeiro! E ele mesmo se perguntou: “Então, o que está faltando de fato para que a agência reabra?”

Otto falou do problema do espaço físico para funcionamento da agencia. Há uma manifestação formal do proprietário atual do prédio em não renovar o contrato que vence no ano que vem. E isso levou o banco a procurar outro espaço. A gente precisa desse banco reaberto o quanto antes! Mas de certa forma, não estamos conseguindo, lamentou o gerente.

Otto falou até de um movimento tipo abaixo assinado onde algum comerciante, juntamente com a agência, para pressionar a superintendência estadual, e mostrar como a população está revoltada com a questão da agência fechada e como ela exige uma abertura de imediato.

Isso levou o presidente da Câmara a entregar de imediato ao gerente um Oficio pedindo que ele agende uma audiência com a superintendência do banco em Salvador e isso será o próximo passo, disse o presidente da Câmara

Otto encerrou pedindo desculpas em nome da empresa Banco do Brasil e à população de Araci, pela mora excessiva que está nesse processo de reabertura. E concluiu: “Não é fácil! Nós não queríamos estar na situação em que está! Infelizmente a criminalidade no país, ela é absurda! Ela tem sido aqui no estado da Bahia mais do que em outros estados e, infelizmente nós estamos sofrendo as consequências dessas ações criminosas. Então, eu peço a compreensão de todos. Inclusive a partir do momento em que o banco autorizou a reabertura, nós não medimos esforços, mesmo com as condições precárias em que lá estamos em trazer todos os funcionários para aqui Araci e iniciar o processo de atendimento, sem numerário, porque ainda não temos condições de ter numerário. Iniciar o processo de atendimento para amenizar um pouco do sofrimento que a população está passando por falta de um banco do tamanho e importância do banco do Brasil”.

Comentários